Home

Seja muito Bem-Vindo(a) à APROSOC 

Missão 

A APROSOC – Associação de Proteção Civil tem como principal eixo da sua atividade, funcionar como Observatório de Emergência e Proteção Civil, que agrega técnicos especialistas das áreas técnicas da proteção civil; saúde; operações de salvamento e socorro; ambiente, ação social, segurança comunitária e autoproteção, mobilizando-os para a defesa dos legítimos direitos e interesses dos cidadãos, nomeadamente através da:

1. Contínua observação e acompanhamento da elaboração, adequação e aplicação das políticas atinentes àquelas atividades e outras conexas;

2. Observação, análise e estudo do planeamento e das operações de mitigação, prevenção, intervenção na fase de emergência e na fase de reposição da normalidade, bem como da preparação dos cidadãos para autoproteção e resiliência;

3. Apresentação de contributos/propostas/reivindicações/denúncias às entidades/organismos competentes e/ou poder político instituído nos seus diferentes patamares político-territoriais, tidas por conducentes ao melhoramento da eficácia e eficiência dos serviços que exercem aquelas atividades;

4. Criação de produtos pedagógicos e realização de ações de informação e educação das populações sobre a prevenção dos riscos e a minimização das consequências, visando a sua sensibilização em matéria de autoproteção na saúde, proteção civil e segurança comunitária (no âmbito dos conceitos internacionais de “prepping” / “sobrevivencialismo” )  e atividades conexas;

5. Promoção da ação cidadã proativa na deteção e reporte de situações de risco às entidades competentes.

Em suma, a APROSOC desenvolve as suas atividades de OBSERVATÓRIO DE EMERGÊNCIA E PROTEÇÃO CIVIL, através de um colégio de especialistas em proteção civil, serviço social, saúde e segurança comunitária, na defesa do interesse público por todos os meios lícitos ao seu alcance, junto dos cidadãos, das famílias, das comunidades e das instâncias nacionais e internacionais, sem prejuízo de, face à previsão ou verificada situação de emergência, acidente grave ou catástrofe, os seus especialistas, exercerem de forma altruísta e proativa, e dentro do limite das suas competências, capacidades e disponibilidades próprias, ações de informação, apoio, deteção e alerta, socorro e salvamento direto às populações afetadas, através das ações exigidas pela natureza daqueles estados de necessidade.

Esta atividade é, por opção, exercida de forma totalmente independente dos organismos da administração central do estado.


João Paulo Saraiva

Presidente da Direção
Técnico de Proteção Civil
Socorrista (TAS)
Radioamador e Radioperador